Sapatos trocados

Como o tatu ganhou suas grandes garras
Disponível
Editora: PAULINAS
Autor(es): Cristino Wapichana
Coleção: O universo indígena
Código: 525391

Ficha técnica

Código de barras:
9788535637182
Peso:
140
Dimensões:
20.00cm x 0.00cm x 27.50cm
Código:
525391
Idioma:
PORTUGUES
Número de páginas:
32
Edição:
1
Data de Lançamento:
06/05/2014

Detalhes

Se não fosse pelos sapatos trocados, Kapaxi não se tornaria uma lenda, sendo considerado além do mais veloz, também o mais bondoso dentre os animais da terra. Kapaxi recebeu um par de sapatos mágicos de Tuminkery (criador de todas as coisas) que o tornou o grande velocista e mensageiro oficial do reino animal. Ele possuía outros talentos: era também um excelente contador de histórias e sempre fazia a alegria dos pequeninos com seus "arranques" empoeirados por onde passava... Nas festas do Jabuti, ele era sempre o encarregado de convidar todos os moradores para a comemoração. E na festa da kayz waywepen (lua cheia) não foi diferente. Primeiro ele avisou a todos, e depois voltou para a casa do amigo para ajudá-lo juntamente com Aro na lida dos preparativos para o evento. Aconteceu que, durante a arrumação, Kapaxi e Aro, tiveram uma discussão infrutífera e lançaram um desafio: quem corria mais e quem cavava mais rápido um buraco. Desafio que seria cumprido após a festa. Só que eles não contavam que o cansaço seria um de seus maiores oponentes e por conta dele, trocaram seus amuletos: Aro calçou os sapatos de Kapaxi e esse, os de Aro. Com isso, Aro saiu em disparada e nunca mais foi visto e Kapaxi perdeu de vez o posto de mensageiro. Motivado a encontrá-lo, o Tatu nunca desistiu de procurá-lo por todo canto e por onde ia, cavava buracos para abrigar-se. Desta forma seguia sua vida: buscando incessantemente por Aro e também ajudando o próximo com os abrigos que deixava pelo caminho. Através de um texto lúdico e harmônico, Cristino contribui mais uma vez para seu engajamento nas questões culturais indígenas. E ainda nos apresenta informações sobre o seu povo, os Wapichana. Mauricio Negro, pesquisador de diversidades culturais, também dá conta do recado e usa diversas técnicas para deixar o livro ainda mais atrativo.